Compartilhar
Informação da revista
Vol. 70. Núm. 2.
Páginas 184-185 (01 Março 2020)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 70. Núm. 2.
Páginas 184-185 (01 Março 2020)
Carta ao Editor
DOI: 10.1016/j.bjan.2020.04.001
Open Access
O manejo do absorvedor de CO2 durante o uso do aparelho de anestesia como respirador mecânico em pacientes com COVID‐19
Management of CO2 absorbent while using the anesthesia machine as a mechanical ventilator on patients with COVID‐19
Visitas
...
Marcelo Luis Abramides Torres
Autor para correspondência
marcelo.torres@hc.fm.usp.br

Autor para correspondência.
, Fernando Augusto Tavares Canhisares, Vinícius Caldeira Quintão
Universidade de São Paulo (USP), Faculdade de Medicina (FM), Hospital das Clínicas (HC), Disciplina de Anestesiologia, São Paulo, SP, Brasil
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Tabelas (1)
Tabela 1. Parâmetros ventilatórios utilizados na simulação
Texto Completo
Cara Editora,

Com a evolução da pandemia da COVID‐19, está havendo no mundo uma crise relacionada à falta de respiradores. No Brasil isso não será diferente, e talvez até pior. Segundo o censo da Associação de Medicina Intensiva Brasileira, existem no Brasil cerca de 42 mil leitos de UTI, sendo que nem todos os leitos possuem respiradores mecânicos.1 O Brasil possui cerca de 20 leitos para cada 100 mil habitantes, um pouco menos que a Alemanha, o país com a melhor relação da Europa, e dentro das recomendações da Organização Mundial da Saúde — de 10 a 30 leitos por 100 mil habitantes.2 Segundo o Ministério da Saúde, até o dia 12 de abril de 2020, mais de 20 mil casos de COVID‐19 foram diagnosticados no Brasil, mas faltam dados de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva.3

O que se sabe é que muitos pacientes internados nas Unidades de Terapia Intensiva necessitarão de ventilação mecânica. Dados retrospectivos de pacientes internados em Unidades de Terapia Intensiva com COVID‐19 na Itália mostraram que 88% de 1590 pacientes necessitaram de ventilação mecânica.4 Os Estados Unidos da América, em especial o estado de Nova York, são o atual epicentro da pandemia. Por lá, a falta de respiradores mecânicos é uma grande preocupação, o que poderá ser aqui no Brasil também.5

Para tentar minimizar essa falta de respiradores, muitos grupos de pesquisadores, ligados ou não à indústria, estão tentando, em curto espaço de tempo, desenvolver novos respiradores a um custo menor. Entretanto, o desenvolvimento de tal equipamento pode levar um tempo pela complexidade técnica e pela necessidade de produção em escala. Ressalta‐se, ainda, que hoje vivemos uma crise de desabastecimento mundial de componentes eletrônicos, o que acrescenta uma dificuldade a mais.

Face a esse cenário, propõe‐se a utilização de aparelhos de anestesia como respiradores para esses pacientes em tratamento intensivo.6 Usando o aparelho de anestesia como respirador mecânico, com alto Fluxo de Gases Frescos (FGF), pode‐se manter o absorvedor de CO2 (cal sodada), que durará por um tempo maior. Mas um dos problemas que poderá ocorrer é que a utilização por períodos prolongados, dias ou semanas, com baixo FGF, levará a necessidade de troca do absorvedor de CO2 (cal sodada) várias vezes ao dia. Além do excessivo consumo desse material, que poderá acarretar desabastecimento do mercado, haverá a exposição das equipes de fisioterapia e enfermagem para realização desse procedimento.

Dessa forma, realizamos várias simulações no Laboratório de Biofísica da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, em pulmão teste com injeção de CO2 (250 mL.min–1), para detecção de eventuais situações de reinalação. Foram realizados experimentos com o aparelho de anestesia AVANCE S/5 (GE HealthcareTM, Chicago, EUA), com o reservatório de absorvedor vazio (sem cal sodada) simulando a ventilação para um pulmão com complacência normal (0,05 L.cm–1 H2O) e para um pulmão com complacência reduzida (0,02 L.cm–1 H2O).

Na simulação do pulmão normal utilizamos os seguintes parâmetros: Volume Corrente (VC) de 500 mL, Frequência Respiratória (FR) de 12 incursões por minuto, Volume‐Minuto (VM) de 6 L.min–1 e PEEP de 4 cm H2O. Para o pulmão com baixa complacência usamos os seguintes parâmetros: VC=300mL, FR=40 incursões por minuto, VM=12 L.min–1 e PEEP=10 cm H2O (tabela 1). Fomos, então, variando o FGF do aparelho de anestesia e observando a fração inspirada de CO2. Podemos observar que quando utilizávamos um FGF 20% superior ao volume‐minuto utilizado, não ocorria presença de gás carbônico no gás inspirado em nenhuma das duas simulações.

Tabela 1.

Parâmetros ventilatórios utilizados na simulação

Complacência  VC (mL)  FR (por minuto)  VM (L.min–1PEEP (cm H2O) 
0,05 L.cm–1 H2500  12 
0,02 L.cm–1 H2300  40  12  10 

VC, Volume Corrente; FR, Frequência Respiratória; VM, Volume‐Minuto.

Em face à crise que estamos vivendo, achamos que a incorporação dos aparelhos de anestesia no cuidado dos pacientes críticos com COVID‐19, e que necessitem de ventilação artificial, poderia dar fôlego ao sistema de saúde. Existem milhares de aparelhos de anestesia distribuídos nos centros cirúrgicos dos hospitais brasileiros prontos para serem utilizados.

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.

Bibliografia
[1]
AMIB divulga primeira parte do censo 2016 com mapeamento das UTIs brasileiras. 2016. Available from https://www.amib.org.br/noticia/nid/amib‐divulga‐primeira‐parte‐do‐censo‐2016‐com‐mapeamento‐das‐utis‐brasileiras/.(accessed 08 de abril 2020).
[2]
A matemática das UTIs: 3 desafios para evitar que falte cuidado intensivo durante a pandemia no Brasil. 2020. Available from https://www.bbc.com/portuguese/brasil‐52137553.(accessed 08 de abril 2020).
[3]
Saúde Md. Coronavírus Brasil. 2020. Available from https://covid.saude.gov.br.(accessed 08 de abril 2020).
[4]
G. Grasselli, A. Zangrillo, A. Zanella, et al.
Baseline Characteristics and Outcomes of 1591 Patients Infected With SARS‐CoV‐2 Admitted to ICUs of the Lombardy Region.
[5]
There Aren’t Enough Ventilators to Cope With the Coronavirus. 2020. Available from https://www.nytimes.com/2020/03/18/business/coronavirus‐ventilator‐shortage.html.(accessed 08 de abril 2020).
[6]
APSF/ASA. APSF/ASA Guidance on Purposing Anesthesia Machines as ICU Ventilators. 2020. Available from https://www.asahq.org/in‐the‐spotlight/coronavirus‐covid‐19‐information/purposing‐anesthesia‐machines‐for‐ventilators.(accessed 12 de abril 2020).
Idiomas
Brazilian Journal of Anesthesiology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
es en pt
Política de cookies Cookies policy Política de cookies
Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios y mostrarle publicidad relacionada con sus preferencias mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Si continua navegando, consideramos que acepta su uso. Puede cambiar la configuración u obtener más información aquí. To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.