Compartilhar
Informação da revista
Vol. 70. Núm. 2.
Páginas 140-152 (01 Março 2020)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
...
Vol. 70. Núm. 2.
Páginas 140-152 (01 Março 2020)
Artigo Científico
DOI: 10.1016/j.bjan.2020.02.003
Open Access
Análise bibliométrica no campo da anestesiologia no período de 2009‐2018
A bibliometric analysis of the field of anesthesia during 2009‐2018
Visitas
...
Güvenç Doğana,
Autor para correspondência
guvencdogan@gmail.com

Autor para correspondência.
, Onur Karacab
a Hitit University, Faculty of Medicine, Department of Anesthesiology and Reanimation, Çorum, Turquia
b Aksaray University, Faculty of Medicine, Department of Anesthesiology and Reanimation, Aksaray, Turquia
Informação do artigo
Resume
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (8)
Mostrar maisMostrar menos
Tabelas (5)
Tabela 1. Periódicos ativos no campo da anestesiologia
Tabela 2. Organizações e organizações‐expandidas ativas no campo da anestesiologia
Tabela 3. Autores ativos no campo da anestesiologia
Tabela 4. Os 15 manuscritos mais citados no campo da anestesiologia
Tabela 5. Os 134 unitermos mais frequentes no campo da anestesiologia
Mostrar maisMostrar menos
Resumo
Objetivo

Existe um número limitado de estudos bibliométricos na literatura, e no campo da anestesiologia concentram‐se de forma geral nos estudos mais citados. Entretanto, existem poucos estudos de avaliação bibliométrica holística dessas publicações. O objetivo do presente estudo foi fazer um resumo contemporâneo dos artigos publicados no campo da anestesiologia nos últimos 10 anos usando métodos bibliométricos detalhados.

Método

Os artigos publicados entre 2009 e 2018 foram extraídos do banco de dados Web of Science (WoS) e analisados usando métodos bibliométricos. A revisão da literatura foi conduzida usando o unitermo “Anesthesiology” (Anestesiologia) na categoria “Research Area” (Área de Pesquisa) usando a opção de busca avançada disponível no WoS. A relação entre o número de publicações de cada país e os valores do Produto Interno Bruto e Índice de Desenvolvimento Humano foi analisada usando o coeficiente de correlação de Spearman. O número de artigos para os anos de 2019 a 2021 foi estimado por meio de análise de regressão linear.

Resultados

A revisão da literatura encontrou 41.003 artigos no banco de dados Web of Science. As estimativas incluíram 4.910 (3.971‐5.849) artigos para o ano de 2019. Houve correlação de alto grau, positiva, significante entre o número de publicações e Produto Interno Bruto (r=0,776; p <0,001).

Conclusões

Os achados mostram que países de alta renda são efetivos no campo da anestesiologia, indicando uma forte associação entre a produtividade em pesquisa e desenvolvimento econômico. Países não desenvolvidos ou em desenvolvimento devem ser estimulados a conduzir pesquisa no campo da anestesiologia.

Palavras‐chave:
Anestesia
Analgesia
Bibliometria
Cientometria
Abstract
Objective

The limited number of bibliometric studies in the literature have generally focused on the top‐cited studies in the field of anesthesia, however, there is a lack of studies that made a holistic bibliometric evaluation of these works. The purpose of this study is to make a contemporary summary of the articles published in the field of anesthesia within the last 10 years through detailed bibliometric methods.

Methods

The articles published between the years 2009 and 2018 were downloaded from the Web of Science (WoS) database and analyzed using bibliometric methods. The literature review was conducted using the keyword “Anesthesiology” in the “Research Area” category via the advanced search option available in WoS. The relation between the number of publications of the countries and the Gross Domestic Products and Human Development Index values were analyzed using Spearman's correlation coefficient. The number of articles between the years 2019 and 2021 was estimated through linear regression analysis.

Results

A review of the literature indicated 41,003 articles in the Web of Science database. Estimations included 4,910 (3,971‐5,849) articles for the year 2019. There was a high‐level, positive significant correlation between the number of publications and Gross Domestic Product (r=0.776, p<0.001).

Conclusion

The findings show that countries with high income are effective in the field of anesthesia, which indicates a strong association between research productivity and economic development. Undeveloped and developing countries should be encouraged to conduct research in the field of anesthesia.

Keywords:
Anesthesia
Analgesia
Bibliometrics
Scientometrics
Texto Completo
Introdução

A avaliação do conhecimento na literatura está se tornando cada vez mais difícil para os pesquisadores pelo crescente número de publicações científicas e pela facilidade de acesso à literatura médica. Embora a revisão de literatura tenha se tornado mais fácil com o desenvolvimento de motores de busca com base na internet, fazer uma avaliação holística ou acessar publicações importantes de um tópico ou campo nem sempre é tão fácil nas buscas realizadas com unitermos.1,2 As análises bibliométricas possibilitam medir a qualidade e quantidade de publicações de indivíduos, instituições e países.3,4 Tal análise revela vários tipos de informação como pesquisa contemporânea; publicações efetivas; colaboração entre países, instituições e autores; e redes de citação e co‐citação.5–7

A anestesiologia é uma área da ciência que se preocupa com a segurança e cuidado do paciente, no pré‐, intra‐ e pós‐operatório, incluindo a eliminação da dor. O primeiro documento no campo da anestesiologia foi escrito em 1847 por John Snow.8 Desde então, a anestesiologia se tornou uma disciplina relativamente ampla com várias áreas de pesquisa, o que tem aumentado o número de artigos a cada dia. O número limitado de estudos bibliométricos disponíveis na literatura concentram‐se geralmente nos estudos mais citados no campo da anestesiologia, nos estudos clínicos de departamentos de anestesiologia, nos estudos de fármacos anestésicos e na contribuição de alguns países para a pesquisa em anestesiologia.9–13 Entretanto, existem poucos estudos de avaliação bibliométrica holística das publicações no campo da anestesiologia. O objetivo do presente estudo foi fazer um resumo atualizado dos artigos publicados na área da anestesiologia nos últimos 10 anos usando meticulosos métodos bibliométricos, identificar as publicações mais citadas da área, identificar os periódicos mais influentes e, especialmente, as tendências em termos de tópicos.

Método

As análises bibliométricas foram realizadas usando o programa VOSviewer (Versão 1.6.10).14 Os artigos publicados entre 2009 e 2018 foram obtidos do banco de dados Web of Science (Web of Science Core Collection database mantido pela Clarivate Analytics. Data de acesso: 29/3/2019) e submetidos a análise usando métodos bibliométricos. A revisão da literatura foi conduzida usando o unitermo Anesthesiology ‐ Anestesiologia na categoria Research Area ‐ Área de Pesquisa na opção de busca avançada disponível no WoS (código: SU=(Anesthesiology) Busca Avançada por: Document Types ‐ Tipos de Documento: (Article ‐ Artigo) Indexes ‐ Índices=SCI‐EXPANDED, SSCI, A&HCI, CPCI‐S, CPCI‐SSH, ESCI “Timespan”‐ Período=2009‐2018). As análises estatísticas foram conduzidas no SPSS (Versão 22.0, SPSS Inc., Chicago, IL, EEUU, Licença: Hitit University). Usamos o coeficiente de correlação de Spearman para analisar a relação entre o número de publicações dos países e os valores do Produto Interno Bruto (PIB), Produto Interno Bruto per capita (na paridade do poder de compra; PIB PPC), e Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). O coeficiente de correlação de 0,90 a 1,00 foi considerado muito alto; de 0,70 a 0,89 foi considerado alto; de 0,50 a 0,69 moderado; e de 0,26 a 0,49, baixo. O número de artigos a serem publicados na área da anestesiologia entre os anos de 2019 e 2021 foi estimado por análise de regressão linear. O nível de significância estatística usado foi p <0,05.

Resultados

A revisão da literatura resultou em 84.290 publicações no banco de dados WoS que foram incluídas na análise estatística. A distribuição das publicações segundo o tipo de documento foi a seguinte: artigo 41.003 (48,6%), carta 14.195 (16,8%), resumo de congresso 12.121 (14,4%), material editorial 8.651 (10,3%), revisão 6.498 (7,7%), correção 995 (1,2%), artigo de anais 751 (0.9%), notícias 208 (0.2%), item biográfico 203 (0,2%), revisão de livro 60 (0,1%), capítulo de livro 48 (0,1%) ou outros (artigo retratado, retratação, reimpressão, bibliografia) 48 (0,1%). As análises bibliométricas foram realizadas nas 41.003 publicações na categoria artigo. Dessas publicações, 36.799 (89,7%) eram em inglês, seguidas por tcheco 2.697 (6,6%), francês 981 (2,4%), espanhol 280 (0,7%), português 208 (0,5%), turco 25 (0,1%), ou outras línguas (eslovaco, holandês, italiano, polonês) 10 (< 0,1%).

Desenvolvimento das publicações e citações

A figura 1 apresenta a distribuição das publicações entre 2009 e 2018. Além disso, apresenta estimativas de publicação para os anos entre 2018 e 2021 com intervalo de confiança obtido através de análise de regressão. As estimativas incluíram 4.910 (3.971‐5.849) artigos para o ano de 2019, 5.090 (3.826‐6.354) artigos para o ano de 2020, e 5.271 (3.749‐6.792) artigos para o ano de 2021. Os resultados da análise de regressão indicaram que o número de artigos no campo da anestesiologia ultrapassará 5.000 em 2021.

Figura 1.

Distribuição das publicações por ano no campo da anestesiologia

(0,17MB).
Países Ativos

A figura 2 apresenta a distribuição das publicações por país na área da anestesiologia. Os Estados Unidos 11.835 (28,9%) foi o país que mais contribuiu no campo da Anestesiologia. Os Estados Unidos foram seguidos pela Alemanha 4.853 (11,8%), Inglaterra 2.745 (6,7%), Canadá 2.652 (6,5%), França 2.568 (6,3%), Japão 2.176 (5,3%), Austrália 1.984 (4,8%), China 1.875 (4,6%), Índia 1.782 (4,3%), Holanda 1.436 (3,5%), Coréia do Sul 1.432 (3,5%), Itália 1.391 (3,4%), Dinamarca 1.086 (2,6%), Suíça 1.048 (2,6%), Espanha 1.021 (2,5%), Turquia 953 (2,3%), Suécia 877 (2,1%), Bélgica 831 (2%), Brasil 737 (1,8%), Áustria 603 (1,5%) e Egito 530 (1,3%).

Figura 2.

Mapa‐múndi da produtividade dos países no campo da anestesiologia.

(0,33MB).

Um total de 159 países publicaram no campo da anestesiologia. A figura 3 apresenta análise da colaboração internacional entre os 79 países que tinham pelo menos cinco publicações.

Figura 3.

Mapa da rede de colaboração internacional de países no campo da anestesiologia.

(0,36MB).
Periódicos ativos

Os artigos foram publicados em 64 periódicos. A tabela 1 apresenta o número médio de citações calculado segundo a proporção entre o número de citações e número de publicações. Sessenta e dois periódicos tinham pelo menos 20 publicações. As citações das publicações são apresentadas no mapa da figura 4.

Tabela 1.

Periódicos ativos no campo da anestesiologia

Periódico  RC  AC  Periódico  RC  AC 
Anesthesiology  2106  61078  29.00  Korean Journal of Anesthesiology  290  655  2.26 
Pain  2515  72586  28.86  Seminars in Cardiothoracic and Vascular Anesthesia  111  207  1.86 
British Journal of Anaesthesia  1953  44637  22.86  Anaesthesiology Intensive Therapy  126  233  1.85 
Chronic Pain and Addiction  176  22.00  Annals of Cardiac Anaesthesia  300  552  1.84 
Current Opinion in Anesthesiology  342  7305  21.36  Anasthesiologie Intensivmedizin Notfallmedizin Schmerztherapie  739  1180  1.60 
Anesthesia and Analgesia  3310  53972  16.31  Saudi Journal of Anaesthesia  347  538  1.55 
Regional Anesthesia and Pain Medicine  819  13070  15.96  Indian Journal of Anaesthesia  460  713  1.55 
Anaesthesia  1264  18915  14.96  A & A Case Reports  461  688  1.49 
Clinical Journal of Pain  1118  16497  14.76  Journal of Pain & Palliative Care Pharmacotherapy  84  123  1.46 
European Journal of Pain  1402  20590  14.69  Anasthesiologie & Intensivmedizin  341  481  1.41 
European Journal of Anaesthesiology  886  11405  12.87  BJA Education  192  265  1.38 
Pain Medicine  1792  21807  12.17  Anesthesiology Research and Practice  76  95  1.25 
Journal of Neurosurgical Anesthesiology  402  4492  11.17  Revista Española de Anestesiología y Reanimación  289  321  1.11 
Acta Anaesthesiologica Scandinavica  1382  15417  11.16  International Anesthesiology Clinics  56  57  1.02 
Canadian Journal of Anesthesia/ Journal canadien d’anesthesie  848  9350  11,02  Turkish Journal of Anaesthesiology and Reanimation  243  240  0.99 
Pain Physician  856  9362  10.94  Trends in Anaesthesia and Critical Care  44  43  0.98 
Minerva Anestesiologica  912  8322  9.13  Local and Regional Anesthesia  40  38  0.95 
Pediatric Anesthesia  1255  11425  9.10  Acta Anaesthesiologica Belgica  74  59  0.80 
Pain Practice  727  6308  8.68  Egyptian Journal of Anaesthesia  230  173  0.75 
International Journal of Obstetric Anesthesia  501  4056  8.10  Douleur et analgesie  101  51  0.50 
Anaesthesia and Intensive Care  960  6377  6.64  Anaesthesia and Intensive Care Medicine  276  123  0.45 
Journal of Clinical Anesthesia  1032  6562  6.36  Southern African Journal of Anaesthesia and Analgesia  132  57  0.43 
Journal of Cardiothoracic and Vascular Anesthesia  1979  11889  6.01  JA Clinical Reports  199  57  0.29 
Journal of Clinical Monitoring and Computing  798  4354  5.46  Anaesthesia Pain & Intensive Care  302  82  0.27 
Journal of anesthesia  1366  7439  5.45  Anesthesie & reanimation  226  58  0.26 
BMC Anesthesiology  894  4232  4.73  A & A Practice  188  34  0.18 
Schmerz  515  2380  4.62  Anesteziologie a Intenzivni Medicina  156  25  0.16 
Anaesthesist  1040  4090  3.93  Pediatric Anesthesia and Critical Care Journal  73  10  0.14 
Annales francaises d anesthesie et de reanimation  716  2626  3.67  Sri Lankan Journal of Anaesthesiology  95  0.08 
Anaesthesia Critical Care & Pain Medicine  201  681  3.39  Indian anaesthetists forum  65  0.06 
Best Practice & Research‐Clinical Anaesthesiology  58  174  3.00  Ain Shams Journal of Anesthesiology  11  0.00 
Brazilian Journal of Anesthesiology/Revista Brasileira de Anestesiologia  719  2156  3.00         

RC, Número de Registros; C, Número de Citações; AC, Média de Citações.

Figura 4.

Mapa da rede de análise de citações de periódicos ativos no campo da anestesiologia.

(0,21MB).
Organização ativa

A tabela 2 apresenta as 15 principais organizações e organizações‐expandidas (Organizations‐Enhanced) que produziram o maior número de publicações no campo da anestesiologia. Um total de 19.317 organizações publicaram artigos. A figura 5 apresenta a análise de conglomerado da colaboração internacional das 66 organizações com pelo menos 150 publicações.

Tabela 2.

Organizações e organizações‐expandidas ativas no campo da anestesiologia

Organização  RC  Organização‐expandida  RC 
University of Toronto  862  Harvard University  1415 
Harvard University  683  University of Toronto  1026 
University Washington  552  University of California System  997 
Cleveland Clinic  505  Assistance Publique‐Hôpitaux de Paris (AP‐HP)  881 
Stanford University  503  VA Boston Healthcare System  815 
Mayo Clinic  474  Institut National de la Santé et de la Recherche Médicale  665 
Massachusetts General Hospital  421  University of London  645 
University of Pennsylvania  377  Cleveland Clinic Foundation  563 
University of California, San Francisco  372  Massachusetts General Hospital  558 
Duke University  368  University of Copenhagen  557 
University of Pittsburgh  336  University of Washington  553 
Mcgill University  331  University of Washington Seattle  553 
Northwestern University  328  Stanford University  522 
University of Copenhagen  325  Mayo Clinic  512 
University of Melbourne  306  University Health Network Toronto  507 

RC, Número de Registros.

Figura 5.

Mapa de visualização dos conglomerados das organizações no campo da anestesiologia.

(0,15MB).
Autores ativos

A tabela 3 apresenta os autores que publicaram o maior número de artigos no campo da anestesiologia. Sessler DI, que publicou 231 artigos, foi o autor que ocupou o primeiro lugar.

Tabela 3.

Autores ativos no campo da anestesiologia

Autor  RC  Autor  RC 
Sessler DI  231  Lee SH  88 
Lee JH  158  Epstein RH  87 
Dexter F  127  Jensen MP  84 
Arendt‐Nielsen L  108  Landoni G  84 
Wulf H  106  Kranke P  80 
Weiss M  105  Bauer M  78 
Pagel PS  102  Roewer N  77 
Kehlet H  96  Tobias JD  76 
Kim SH  93  Turan A  76 
Bein B  92  Gupta A  75 
Rossaint R  91  Lee J  75 
Kim HS  90  Maier C  75 

RC, Número de Registros.

Análise das citações

A tabela 4 apresenta os 15 principais artigos de acordo com o número de citações.

Tabela 4.

Os 15 manuscritos mais citados no campo da anestesiologia

N°  Artigo  Autor  Periódico  PY  TC  AC 
Early exposure to anesthesia and learning disabilities in a population‐based birth cohort  Wilder RT, Flick RP, Sprung J, et al.  Anesthesiology  2009  699  63.55 
Major complications of airway management in the UK: results of the Fourth National Audit Project of the Royal College of Anaesthetists and the Difficult Airway Society. Part 1: Anaesthesia  Cook TM, Woodall N, Frerk C.  British Journal of Anaesthesia  2011  652  72.67 
Practice guidelines for management of the difficult airway: an updated report by the American Society of Anesthesiologists Task Force on management of the difficult airway  Group author(s): Amer Soc Anesthesiologists  Anesthesiology  2013  547  78.57 
The evidence for pharmacological treatment of neuropathic pain  Finnerup NB, Sindrup SH, Jensen, TS  Pain  2010  543  54.40 
Quantitative sensory testing in the German Research Network on Neuropathic Pain (DFNS): somatosensory abnormalities in 1,236 patients with different neuropathic pain syndromes  Maier C, Baron R, Toelle TR, et al.  Pain  2010  466  46.70 
Difficult Airway Society 2015 guidelines for management of unanticipated difficult intubation in adults  Frerk C, Mitchell VS, McNarry AF, et al.  British Journal of Anaesthesia  2015  443  88.80 
Management of severe perioperative bleeding Guidelines from the European Society of Anaesthesiology  Kozek‐Langenecker SA, Afshari A, Albaladejo P, et al.  European Journal of Anaesthesiology  2013  442  63.14 
Sensitization in patients with painful knee osteoarthritis  Arendt‐Nielsen L, Nie H, Laursen, MB, et al.  Pain  2010  434  43.60 
Validity of four pain intensity rating scales  Ferreira‐Valente, MA, Pais‐Ribeiro, JL, Jensen MP.  Pain  2011  415  46.33 
10  Major complications of airway management in the UK: results of the Fourth National Audit Project of the Royal College of Anaesthetists and the Difficult Airway Society. Part 2: intensive care and emergency departments  Cook TM, Woodall N, Harper J, et al.  British Journal of Anaesthesia  2011  385  42.89 
11  Consensus guidelines for the management of postoperative nausea and vomiting  Gan, TJ, Diemunsch, P, Habib, AS, et al.  Anesthesia and Analgesia  2014  384  64.00 
12  Major complications of central neuraxial block: report on the Third National Audit Project of the Royal College of Anaesthetists  Cook TM, Counsell D, Wildsmith JAW. Group author(s): Royal Coll Anaesthetists Third Nat  British Journal of Anaesthesia  2009  383  34.82 
13  Long‐term consequences of postoperative cognitive dysfunction  Steinmetz J, Christensen, KB, Lund T, et al. Group author(s): ISPOCD Grp  Anesthesiology  2009  364  33.18 
14  Practice guidelines for acute pain management in the perioperative setting: an updated report by the American Society of Anesthesiologists Task Force on acute pain management  Ashburn MA, Caplan RA, Carr, DB, et al.  Anesthesiology  2012  362  45.13 
15  Relationship between intraoperative mean arterial pressure and clinical outcomes after noncardiac surgery: toward an empirical definition of hypotension  Walsh M, Devereaux PJ, Garg, AX, et al.  Anesthesiology  2013  362  51.86 

PY, Ano da Publicação; TC, Número de Citações; AC, Média de Citações por ano.

Tópicos mais frequentes

Foram usadas 38.790 palavras nas seções de unitermos dos artigos. A tabela 5 apresenta a frequência do uso dessas palavras. Além disso, a análise bibliométrica foi realizada com 134 unitermos que foram usados pelo menos 100 vezes, e a figura 6 apresenta os conglomerados e relações entre esses unitermos. A figura 7 apresenta o mapa da rede de unitermos por ano. A figura 8 apresenta o mapa de visualização da rede de unitermos usados nos artigos mais citados.

Tabela 5.

Os 134 unitermos mais frequentes no campo da anestesiologia

Unitermo  Unitermo  Unitermo  Unitermo 
Dor  1656  Fibromialgia  248  Rocurônio  153  Cefaleia  116 
Dor crônica  1208  Hiperalgesia  243  Ventilação  149  meta‐análise  116 
Anestesia  949  Sedação  243  Doença congênita cardíaca  146  Estímulo da medula espinhal  116 
Anestesia  682  Depressão  227  Hemodinâmica  143  Anestesiologia  115 
Dor neuropática  662  Cuidado crítico  218  Teste sensorial quantitativo  142  Avaliação de dor  115 
Opioide  661  Bupivacaína  212  Sugammadex  142  Cirurgia torácica  115 
Cirurgia cardíaca  652  Ultrasonografia  209  Síndrome de dor regional complexa  136  Laringoscopia  114 
Analgesia  623  Fentanil  207  Inflamação  135  Osteoartrite  114 
Propofol  579  Pós‐operatório  206  Transfusão  135  Alodínia  113 
Complicação  571  Morfina  205  Analgésicos  134  Índice bispectral  113 
Dexmedetomidina  566  Anestesia espinhal  204  Analgesia pós‐operatória  133  Idoso  113 
Pediátrico  502  Complicações pós‐operatórias  198  Epidemiologia  132  Transplante de fígado  113 
Crianças  488  Dor aguda  196  Migrânea  131  Cuidado perioperatório  113 
Dor no pós‐operatório  445  Via aérea  195  Anestesia geral  130  Ressuscitação  112 
Cirurgia  430  Ansiedade  195  Unidade de terpaia ıntensiva  129  Avaliação  111 
Circulação extracorpórea  401  Septicemia  195  Estudo randomizado controlado  129  Lombalgia  111 
Sevoflurano  388  Lesão renal aguda  188  Anestesia pediátrica  128  Máscara laríngea via aérea  111 
Ultrassom  373  Anestesia regional  188  Anestesia espinhal  127  Medida da dor  109 
Intubação  368  Bloqueio de nervo  187  Dexametasona  126  Sangramento  108 
Anestesia geral  349  Cesareana  186  Incapacidade  125  Levobupivacaína  108 
Manejo de via aérea  340  Cesareana  186  Lactente  125  Nocicepção  107 
Manejo de dor  322  Ecocardiografia  185  Midazolam  125  Pregabalina  106 
Terapia intensiva  315  Lidocaína  183  Anestesia regional  125  Pesquisa  106 
Monitoramento  312  Farmacocinética  181  Medual espinhal  123  Espinhal  105 
Lombalgia  294  Fatores de risco  178  Trauma  123  Pressão arterial  104 
Desfecho  287  Educação  169  Dor câncer  122  Transfusão sanguínea  104 
Mortalidade  286  Ropivacaína  165  Parada cardíaca  121  Geral  104 
Ecocardiografia transesofágica  274  Segurança  165  Analgesia epidural  121  Câncer  103 
Débito cardíaco  272  Qualidade de vida  162  Ventilação unipulmonar  120  Sensibilização central  103 
Remifentanil  266  Via aérea difícil  161  Náusea e vômito pós‐operatório  120  Clonidina  103 
Ketamina  263  Hipotensão  160  Lombalgia crônica  118  Regional  102 
Criança  262  Obesidade  156  Delírio  118  Hipotermia  100 
Gravidez  256  Ventilação mecânica  155  Oxigenação por membrana extracorpórea  118     
Epidural  248  Segurança do paciente  154  Equipamento  117     

O, Número de ocorrências.

Figura 6.

Mapa dos conglomerados para análise de unitermos no campo da anestesiologia.

(0,46MB).
Figura 7.

Mapa da rede de tendências, com base na análise de unitermos no campo da anestesiologia.

(0,41MB).
Figura 8.

Mapa da rede de unitermos mais citados no campo da anestesiologia.

(0,39MB).
Análise de correlação

Houve correlação estatisticamente significante, positiva, de alto nível entre o número de publicações e PIB e PIB PPC (r=0,776, p <0,001; r=0,737, p <0,001, respectivamente). Além disso, houve uma correlação com nível moderado de significância estatística entre o número de publicações e IDH (r=0,649, p <0,001).

Discussão

A análise bibliométrica obteve resultados importantes que fornecem aos pesquisadores no campo da anestesiologia uma análise abrangente de artigos publicados na última década na área de anestesiologia.

Como esperado, os Estados Unidos foi o país que mais contribuiu para o campo da anestesiologia. A figura 2, que apresenta a produtividade de publicações por país, também indica que o poder econômico dos países está associado à produtividade em publicações. A análise de correlação também mostrou que houve alta correlação entre o número de artigos e PIB e PIB PPC, fato que confirmou essa hipótese. Assim, o nível baixo de renda de um país atua de forma importante no baixo número de publicações. Embora o nível de desenvolvimento econômico seja visto como fator importante no número de publicações foi notável que países como China, Índia, Turquia, Brasil e Egito tivessem feito contribuições importantes em termos de produtividade de publicações.

Resultados semelhantes foram encontrados no estudo conduzido por Swaminathan et al. (2007). Analogamente ao presente estudo, os três principais países com a maior contribuição para a literatura foram Estados Unidos, Alemanha e Japão, nessa ordem.10 Segundo os resultados da análise da colaboração internacional entre os países, Bélgica‐Holanda, Inglaterra‐Irlanda‐Gales‐Irlanda do Norte, Finlândia‐Noruega‐Dinamarca‐Suécia‐Polônia, por exemplo, se encontravam no mesmo conglomerado, fato que indica que a localização geográfica é um dos principais fatores para a colaboração no campo da anestesiologia.

Os cinco principais periódicos com o maior número de publicações no campo da anestesiologia na última década foram Anesthesia and Analgesia, Pain, Anesthesiology, Journal of Cardiothoracic, Vascular Anesthesia e British Journal of Anaesthesia, respectivamente. Os cinco principais periódicos segundo o número total de citações foram Pain, Anesthesiology, Anesthesia and Analgesia, British Journal of Anaesthesia e Pain Medicine. Os periódicos mais influentes de acordo com o número de citações por publicação foram Anesthesiology, Pain, British Journal of Anaesthesia, Chronic Pain and Addiction, Current Opinion in Anesthesiology, Anesthesia and Analgesia, Regional Anesthesia and Pain Medicine, Anaesthesia, Clinical Journal of Pain e European Journal of Pain. Os pesquisadores podem optar por esses periódicos com o objetivo de receber mais citações e aumentar a visibilidade de seus estudos.

As instituições com o maior número de contribuições para a literatura foram University of Toronto, Harvard University, University of Washington, Cleveland Clinic e Stanford University. A colaboração entre universidades também evidenciou o efeito da região geográfica. Sessler DI, Anonymous Lee JH, Dexter F, Arendt‐Nielsen L, Wulf H, Weiss M e Pagel PS foram os autores que contribuíram com mais de 100 artigos na década passada.

O artigo entitulado “Early exposure to anesthesia and learning disabilities in a population‐based birth cohort”, publicado no Journal of Anesthesiology e escrito por Wilder et al. (2009) foi o artigo com o maior número de citações.15 Foi seguido pelo estudo entitulado “Major complications of airway management in the UK: results of the Fourth National Audit Project of the Royal College of Anaesthetists and the Difficult Airway Society. Part 1: Anesthesia”, escrito por Cook et al. (2011) e publicado no British Journal of Anesthesia.16 De acordo com o número médio de citações por ano, o estudo mais efetivo foi o artigo entitulado “Difficult Airway Society 2015 guidelines for management of unanticipated difficult intubation in adults” no British Journal of Anesthesia, escrito por Frerk et al. (2015).17

De acordo com os resultados da análise de unitermos, os unitermos mais observados foram dexmedetomidina, dexametasona, ultrasonografia, cuidado crítico, delírio, lesão renal aguda, segurança do paciente, manejo de via aérea e via aérea difícil. A dexmedetomidina, uma droga relativamente nova, cujo uso tem crescido, é um agonista de receptor α2‐adrenérgico e sedativo de largo espectro; a droga é largamente usada em unidades de terapia intensiva e no tratamento de delírio.18 Estudos com modelos de isquemia e resposta inflamatória descrevem o efeito anti‐inflamatório da dexmedetomidina de proteção contra isquemia/lesão de reperfusão.19 Pelo uso crescente no campo da anestesiologia, houve aumento no número de publicações sobre dexmedetomidina, o que a colocou entre os unitermos mais frequentes na terapia intensiva e delírio.

Dexametasona é frequentemente usada devido às funções e efeitos imunossupressores, antialérgicos e anti‐inflamatórios em quase todos os órgãos. Os corticoesteroides tem numerosos efeitos conhecidos sobre todos os sistemas.20 O fato de terem posição importante entre os unitermos mais frequentes no campo da anestesiologia resulta do amplo mecanismo de ação e extenso uso em anestesiologia regional, que se tornou ainda mais difundida com a ultrassonografia (USG).

Tem se tornado cada vez mais importante minimizar a perda no setor da saúde causada por erro médico, monitorar e registrar os eventos que põem em risco a segurança do paciente e dos profissionais, e aprimorar a segurança do paciente. Esse também é o caso pelo número de artigos publicados. A segurança do paciente sempre manterá sua popularidade enquanto a medicina e pacientes existirem.

Os unitermos encontrados nos artigos mais citados foram: dor neuropática, fibromialgia, hiperalgesia, alodínia, síndrome da dor regional complexa e regional. A maioria dos tópicos citados abordava dor. É importante conhecer bem os mecanismos para o manejo da dor, que tem definição ampla e afeta um grande segmento da comunidade. Embora o uso difundido da USG tenha acelerado os estudos em anestesia regional e dor, o conhecimento da dor e da sua fisiopatologia ainda é limitado. Assim, os estudos sobre dor parecem estar aumentando.

Conclusões

Os achados mostram que países de alta renda são efetivos na área da anestesiologia, o que indica forte associação entre produtividade na pesquisa e desenvolvimento econômico. Em outras palavras, uma economia forte parece aumentar os desfechos científicos no campo da anestesiologia. Países não desenvolvidos ou em desenvolvimento devem ser estimulados a conduzir pesquisa no campo da anestesiologia. Associando‐se à crescente importância da anestesiologia, o presente estudo é o primeiro a analisar o desempenho da produtividade científica e fazer avaliação holística no campo da anestesiologia. Acreditamos que a realização periódica de estudos análogos seja benéfica para aprimorar o conhecimento e identificar metas. Este estudo fornece informações importantes sobre a última década na anestesiologia para médicos, acadêmicos e estudantes.

Considerações éticas

Este artigo não contém estudos com participantes humanos ou animais relaizados por quaisquer dos autores.

Consentimento informado

Não é exigido consentimento formal para esse tipo de estudo.

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.

Agradecimentos

Agradecemos Emre Demir do departamento de Bioestatística pela ajuda com a análise estatística.

Referências
[1]
Ü. Muslu, E. Demir.
Development of rhinoplasty: yesterday and today.
Med Sci., 23 (2019), pp. 294-301
[2]
E. Demir.
The Evolution of Spirituality, Religion and Health Publications: Yesterday Today and Tomorrow.
J Relig Health., 58 (2018), pp. 1-13
[3]
G. Doğan, H. İpek.
The development of necrotizing enterocolitis publications: a holistic evolution of global literature with bibliometric analysis.
Eur J Pediatr Surg., (2019),
[4]
Z. Ozsoy, E. Demir.
The evolution of bariatric surgery publications and global productivity: a bibliometric analysis.
Obesity Surg., 28 (2018), pp. 1117-1129
[5]
E. Yıldırım, E. Demir.
Comparative bibliometric analysis of fertility preservation.
Annals Med Res., 26 (2019), pp. 1622-1628
[6]
G. Doğan, S. Kayır.
Global scientific outputs of brain death publications and evaluation according to the religions of countries.
[7]
E. Demir, A. Comba.
The evolution of celiac disease publications: a holistic approach with bibliometric analysis.
[8]
J. Snow.
On the inhalation of the vapour of ether in surgical operations.
Br J Anaesth., 25 (1953), pp. 53-54
[9]
R.S. Tripathi, J.M. Blum, T.J. Papadimos, A.L.A. Rosenberg.
bibliometric search of citation classics in anesthesiology.
BMC Anesthesiology., 11 (2011), pp. 24
[10]
M. Swaminathan, B.G. Phillips-Bute, K.P. Grichnik.
A bibliometric analysis of global clinical research by anesthesia departments.
Anesth Analg., 105 (2007), pp. 1741-1746
[11]
M.D. Bould, S. Boet, N. Riem, C. Kasanda, A. Sossou, H.R. Bruppacher.
National representation in the anaesthesia literature: a bibliometric analysis of highly cited anaesthesia journals.
Anaesthesia., 65 (2010), pp. 799-804
[12]
K.V. Vlassakov, I. Kissin.
Scientometrics of anesthetic drugs and their techniques of administration, 1984‐2013.
Drug Des Devel Ther., 8 (2014), pp. 2463
[13]
I.K. Moppett, J.G. Hardman.
Bibliometrics of anaesthesia researchers in the UK.
Br J Anaesth., 107 (2011), pp. 351-356
[14]
N.J. Van-Eck, L. Waltman.
Software survey: VOSviewer, a computer program for bibliometric mapping.
Scientometrics, 84 (2010), pp. 523-538
[15]
R.T. Wilder, R.P. Flick, J. Sprung, et al.
Early exposure to anesthesia and learning disabilities in a population‐based birth cohort.
Anesthesiology., 110 (2009), pp. 796-804
[16]
T.M. Cook, N. Woodall, C. Frerk.
Fourth National audit project. major complications of airway management in the uk: results of the fourth national audit project of the royal college of anaesthetists and the difficult airway society Part 1: anaesthesia.
Br J Anaesth., (2011), pp. 106617-106631
[17]
C. Frerk, V.S. Mitchell, A.F. McNarry, et al.
Difficult Airway Society 2015 guidelines for management of unanticipated difficult intubation in adults.
Br J Anaesth., 115 (2015), pp. 827-848
[18]
R. Gertler, H.C. Brown, D.H. Mitchell, E.N. Silvius.
Dexmedetomidine: a novel sedative‐analgesic agent.
Proc (Bayl Univ Med Cent)., 14 (2001), pp. 13-21
[19]
T. Taniguchi, Y. Kidani, H. Kanakura, et al.
Effects of dexmedetomidine on mortality rate and inflammatory responses to endo‐ toxin‐induced shock in rats.
Crit Care Med., 32 (2004), pp. 1322-1326
[20]
N. Samancı, N. Balcı.
Corticosteroids and Their Use İn Clinical Practice.
Turkiye Klinikleri J Med Sci., 21 (2001), pp. 131-140
Copyright © 2020. Sociedade Brasileira de Anestesiologia
Idiomas
Brazilian Journal of Anesthesiology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
es en pt
Política de cookies Cookies policy Política de cookies
Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios y mostrarle publicidad relacionada con sus preferencias mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Si continua navegando, consideramos que acepta su uso. Puede cambiar la configuración u obtener más información aquí. To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.