Compartilhar
Informação da revista
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Carta ao editor
DOI: 10.1016/j.bjan.2018.12.010
Open Access
Disponível online o 20 Julho 2019
Relevância do diâmetro do tubo endotraqueal de único lúmen e do tipo de bloqueador brônquico para o isolamento pulmonar em um caso de emergência
Relevance of single‐lumen endotracheal tube diameter and type of bronchial blocker for lung isolation in an emergent case
Visitas
29
Carlos Almeida
Centro Hospitalar Tondela, Viseu, Portugal
Este item recebeu
29
Visitas

Under a Creative Commons license
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo
Cara Editora,

Gostaríamos de acrescentar alguns comentários ao esclarecimento fornecido por Grocott1 sobre o artigo publicado por Almeida et al.2 “Uso de bloqueador brônquico em toracotomia de emergência na presença de hemorragia das vias aéreas superiores e fratura cervical: uma decisão difícil”.

No caso relatado, a troca do tubo endotraqueal (TET) de lúmen único (TUL) para um tubo de diâmetro maior pode ser aconselhável. Grocott1 lembrou aos leitores que o diâmetro mínimo considerado de um TET para fazer o isolamento pulmonar com um EZ‐Blocker™ (Teleflex, Morrisville, EUA) e auxílio de fibra ótica para visualização é de 7mm. Nesse caso, um broncoscópio fino (Ambu aScope S slim 3.8/1.2™, Ambu A/S, Ballerup, Dinamarca) com diâmetro externo de 3.8mm foi usado, o que permitiria o uso simultâneo do EZ‐Blocker™ através do TUL.

No entanto, em um paciente com insuficiência respiratória Tipo II e pressões ventilatórias elevadas, a verificação da posição e o eventual reposicionamento do bloqueador brônquico (BB) sob broncoscopia durante a colocação inicial de um tubo com diâmetro superior a 7mm, permitirá uma ventilação melhor, porque o lúmen do tubo disponível para o fluxo de gás é maior.

Considerando a condição do paciente, a troca do TUL de 7mm por um de 8mm foi uma opção valiosa. Além disso, o fato de que o diâmetro mínimo necessário do tubo é de 7mm para a colocação de um EZ‐Blocker™ não significa que tubos maiores não possam ser usados se um fibroscópio de pequeno diâmetro não estiver disponível.

Considerando a relação risco‐benefício, a troca pode ser feita muito rapidamente após a aspiração cuidadosa da orofaringe, sem extensão da cabeça, o que não provocará uma entrada significativa de sangue na traqueia proveniente de sangramento da língua.

Como foi explicado no artigo por Almeida et al.,2ad initium o paciente não apresentou hemorragia endobrônquica (apenas hemorragia lingual significativa). A hemorragia não estava presente durante o primeiro posicionamento do bloqueador brônquico, mas sim durante o procedimento, devido à manipulação cirúrgica e ao agravamento da coagulopatia.

Caso houvesse hemorragia endobrônquica significativa ad initium, a visualização via fibra ótica seria afetada, o que também comprometeria o posicionamento inicial de qualquer BB ou tubo de duplo lúmen (TDL). Nesse caso, teoricamente, a introdução às cegas de um BB como o Arndt Blocker™ (Cook Critical Care Inc., Bloomington, IN) ou similar (como mencionado por Grocott),1 o tubo endobrônquico Univent™ (Fuji Systems Corporation, Tóquio, Japão) ou o TDL pode ser uma opção melhor, porque a taxa de sucesso em que ambas as extremidades do EZ‐Blocker™ entram no mesmo brônquio na primeira tentativa é elevada.3

A aplicabilidade do uso de bloqueadores brônquicos colocados às cegas especificamente do tubo endobrônquico UniventTM, para o tamponamento da hemorragia endobrônquica, foi relatada.1 Porém, não existem evidências significativas que comparem a taxa de sucesso da primeira passagem entre diferentes bloqueadores brônquicos, ou seja, quando a sua introdução é feita às cegas. Apesar de Grocott et al.4 mostrarem que, comparado ao TDL, o Arndt Blocker™ demorou um tempo semelhante para fornecer isolamento pulmonar em casos de minitoracotomia, uma metanálise mostrou que, em casos de isolamento pulmonar, os TDL foram colocados com mais rapidez e confiabilidade do que o BB (em geral).5

É importante também ressaltar que a maioria dos autores recomenda fortemente que a broncoscopia seja usada no isolamento pulmonar, principalmente ao usar BBs, porque a taxa de mau posicionamento é maior, não são fáceis de posicionar e se deslocam com frequência durante o reposicionamento e a manipulação cirúrgica.3

Uma vantagem significativa dos bloqueadores EZ‐Blockers™ entre os BBs, geralmente, é o risco risco menor de deslocamento durante o procedimento, que está relacionado à ancoragem na bifurcação da carina, o que facilita a reposição caso necessário, ou seja, aprimora‐se a oclusão do brônquio do lobo superior direito.3 Essa vantagem não foi comprovada, pois faltam estudos comparativos entre diferentes BBs, particularmente em casos de emergência.

Em resumo, um TUL grande pode melhorar a ventilação quando um BB sob broncoscopia é usado em casos de emergência e uma técnica previsível, mesmo que um pouco mais lenta, pode ser preferível quando não há sangramento das vias aéreas distal à glote. O risco de deslocamento do BB durante o procedimento deve ser a principal preocupação e, por outro lado, a taxa de sucesso da primeira passagem do BB às cegas seria irrelevante nesse caso.

Conflitos de interesse

O autor declara não haver conflitos de interesse.

Agradecimentos

Gostaria de agradecer à Dra. Carla Pereira e ao Dr. José Pedro Assunção por todo o apoio prestado.

Referências
[1]
H. Grocott.
Lung isolation for emergent thoracotomy in the bleeding airway patient: the choice of bronchial blocker may make a difference.
[2]
C. Almeida, M.J. Freitas, D. Brandão, et al.
Use of bronchial blocker in emergent thoracotomy in presence of upper airway hemorrhage, and cervical spine fracture: a difficult decision.
Rev Bras Anestesiol, 68 (2018), pp. 408-411
[3]
J. Mourisse, J. Liesveld, A. Verhagen, et al.
Efficiency, efficacy, and safety of EZ‐blocker compared with left‐sided double‐lumen tube for one‐lung ventilation.
Anesthesiology, 118 (2013), pp. 550-561
[4]
H.P. Grocott, T.R. Darrow, D.L. Whiteheart, et al.
Lung isolation during port‐access cardiac surgery: double‐lumen endotracheal tube versus single‐lumen endotracheal tube with a bronchial blocker.
J Cardiothorac Vasc Anesth, 17 (2003), pp. 725-727
[5]
A. Clayton-Smith, K. Bennett, R.P. Alston.
A comparison of the efficacy and adverse effects of double‐lumen endobronchial tubes and bronchial blockers in thoracic surgery: a systematic review and meta‐analysis of randomized controlled trials.
J Cardiothorac Vasc Anesth, 29 (2015), pp. 955-966
Copyright © 2019. Sociedade Brasileira de Anestesiologia
Idiomas
Brazilian Journal of Anesthesiology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
es en pt
Política de cookies Cookies policy Política de cookies
Utilizamos cookies propias y de terceros para mejorar nuestros servicios y mostrarle publicidad relacionada con sus preferencias mediante el análisis de sus hábitos de navegación. Si continua navegando, consideramos que acepta su uso. Puede cambiar la configuración u obtener más información aquí. To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.